REAÇÃO DO BRASIL DEVERIA SER MAIS DURA COM BOLÍVIA

O presidente da Bolívia, Evo Morales, está usando o Brasil como bode expiatório
para ganhar as eleições e o Brasil não está sabendo se defender, na opinião do cientista político da
Arko Advice, Murillo de Aragão. “A reação (de Lula) deveria ser mais dura. Houve erro do Brasil e
incompetência em estabelecer relações estáveis com a sociedade boliviana e em estabelecer
sinais claros da vida dos bolivianos a partir do investimento brasileiro”, avaliou, em entrevista ao
Broadcast Ao Vivo.

O impacto do episódio é muito ruim para o presidente brasileiro e também para a diplomacia
brasileira. “Além de ter sido humilhado, o Brasil perdeu a liderança regional para a Venezuela, que
às custas do petrodólar está comprando apoio e financiando governos populistas e demagógicos”,
afirmou. “A diplomacia deveria ter trabalhado para mitigar as ações do governo boliviano”,
acrescentou.

Segundo ele, a oposição está como espectadora na questão Brasil/Bolívia. “O governo está
produzindo tantos equívocos e está dando tanta margem para o Evo Morales crescer nesse
episódio, que a oposição está de passageira”, disse.

Ainda sem uma atuação forte da oposição, Aragão acredita que seja possível que o episódio abale
a imagem de Lula nas pesquisas eleitorais. “É difícil afirmar com certeza que vai abalar, porque o
presidente Lula tem um magnífico ‘efeito Teflon’. Ele consegue atravessar as maiores crises, as
maiores barbaridades e sua popularidade prossegue protegida. No entanto, pode-se afirmar com
certeza de que perante o eleitor mais esclarecido (…), o desgaste é tremendo”.

Aragão também avaliou a possibilidade de a questão do gás boliviano afetar os investimentos no
Brasil. “Ainda o Brasil é visto como parte de um conjunto chamado América Latina. (…) O investidor
menos culto termina misturando uma coisa com a outra. E aí isso vai afetar a avaliação na região,
sem dúvida”. (Josué Leonel e Luciana Xavier, segue)

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 12:57

Itamar visita o Palácio do Planalto

O ex-presidente Itamar Franco deixou há pouco o Palácio do Planalto, onde foi recebido pelo presidente em exercício,
Renan Calheiros. A visita de Itamar relaciona-se aos movimento do PMDB em não ter candidato presidencial. Itamar está em Brasília para a convenção do PMDB que vai decidir se o partido terá ou não candidatura própria à Presidência da República.

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 12:43

Itamar visita o Palácio do Planalto

O ex-presidente Itamar Franco deixou há pouco o Palácio do Planalto, onde foi recebido pelo presidente em exercício,
Renan Calheiros. A visita de Itamar relaciona-se aos movimento do PMDB em não ter candidato presidencial. Itamar
está em Brasília para a convenção do PMDB que vai decidir se o partido terá ou não candidatura própria à Presidência da República.

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 12:43

"Tarefeiro do PT"

O ex-secretario geral do PT, Silvio Pereira, disse na Polícia Federal que era um “tarefeiro” do partido (O Globo). Para o jornal Folha de S. Paulo, o PT busca negociar uma dívida de R$ 300 mil com o escritório de advocacia contratado para defender seus dirigentes. É o caminho para evitar execução judicial. O Jornal do Brasil publica que a ex-secretária do publicitário Marcos Valério, Fernanda Carina, acompanhou o depoimento de Silvio Pereira na CPI dos Bingos e concluiu que “ele mentiu. Foi um teatro”. Em 2004 seu ex-patrão e Silvio Pereira se encontraram em cinco ocasiões, disse

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 10:41

“Tarefeiro do PT”

O ex-secretario geral do PT, Silvio Pereira, disse na Polícia Federal que era um “tarefeiro” do partido (O Globo). Para o jornal Folha de S. Paulo, o PT busca negociar uma dívida de R$ 300 mil com o escritório de advocacia contratado para defender seus dirigentes. É o caminho para evitar execução judicial. O Jornal do Brasil publica que a ex-secretária do publicitário Marcos Valério, Fernanda Carina, acompanhou o depoimento de Silvio Pereira na CPI dos Bingos e concluiu que “ele mentiu. Foi um teatro”. Em 2004 seu ex-patrão e Silvio Pereira se encontraram em cinco ocasiões, disse

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 10:41

Contra acordo

O jornal Folha de S. Paulo publica que o PMDB decidiu não fazer acordo no primeiro turno das eleições, dando prioridade a coligações regionais para, com isso, tentar eleger até 14 governadores. No segundo turno, o partido vai avaliar quem apóia. O ex-presidente Itamar Franco deve se reunir na segunda-feira, após a convenção extraordinária do partido, com o ministro da Coordenação Política, Tarso Genro, e com o presidente do PT, Ricardo Berzoini (SP), negociando acordo (O Estado de S. Paulo).

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 10:41

"Tarefeiro do PT"

O ex-secretario geral do PT, Silvio Pereira, disse na Polícia Federal que era um “tarefeiro” do partido (O Globo). Para o jornal Folha de S. Paulo, o PT busca negociar uma dívida de R$ 300 mil com o escritório de advocacia contratado para defender seus dirigentes. É o caminho para evitar execução judicial. O Jornal do Brasil publica que a ex-secretária do publicitário Marcos Valério, Fernanda Carina, acompanhou o depoimento de Silvio Pereira na CPI dos Bingos e concluiu que “ele mentiu. Foi um teatro”. Em 2004 seu ex-patrão e Silvio Pereira se encontraram em cinco ocasiões, disse.

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 10:41

“Tarefeiro do PT”

O ex-secretario geral do PT, Silvio Pereira, disse na Polícia Federal que era um “tarefeiro” do partido (O Globo). Para o jornal Folha de S. Paulo, o PT busca negociar uma dívida de R$ 300 mil com o escritório de advocacia contratado para defender seus dirigentes. É o caminho para evitar execução judicial. O Jornal do Brasil publica que a ex-secretária do publicitário Marcos Valério, Fernanda Carina, acompanhou o depoimento de Silvio Pereira na CPI dos Bingos e concluiu que “ele mentiu. Foi um teatro”. Em 2004 seu ex-patrão e Silvio Pereira se encontraram em cinco ocasiões, disse.

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 10:41

Contra acordo

O jornal Folha de S. Paulo publica que o PMDB decidiu não fazer acordo no primeiro turno das eleições, dando prioridade a coligações regionais para, com isso, tentar eleger até 14 governadores. No segundo turno, o partido vai avaliar quem apóia. O ex-presidente Itamar Franco deve se reunir na segunda-feira, após a convenção extraordinária do partido, com o ministro da Coordenação Política, Tarso Genro, e com o presidente do PT, Ricardo Berzoini (SP), negociando acordo (O Estado de S. Paulo).

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 10:41

Constrangimento de Dirceu

O ex-ministro José Dirceu passou por constrangimento durante o vôo da American Aairlines, tendo sido chamado de ladrão e chefe de quadrilha. Em Nova York teve que se dirigir a uma sala e dar informações detalhadas (O Globo). Para o jornal O Estado de S.Paulo, Dirceu esteve em Boston, para encontrar o filósofo Mangabeira Unger a quem chamou de um “velho amigo”.

Enviado por Murillo de Aragão 12, maio, 2006 | 10:41